Páginas

Olá! Sejam muito bem vindos! Navegue a vontade, sinta-se em casa. É um imenso prazer compartilhar preciosidades com vocês... Sei que em cada lugar que passamos levamos um pouco de algo e deixamos um pouco de nós, então podem deixar um pouco de vocês aqui...comentem!!

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Relacionamentos…

Relacionamentos, seja ele entre pai e filho, irmãos, amigos, marido e mulher…não é tão simples e fácil…Rubem Alves mostra a sua visão sobre o casamento fazendo uma analogia interessante…
Imagem preso
Depois de muito meditar sobre o assunto concluí que os casamentos (relacionamentos) são de dois tipos: há os casamentos do tipo tênis e há os casamentos do tipo frescobol.
Os casamentos do tipo tênis são uma fonte de raiva e ressentimentos e terminam sempre mal.
Os casamentos do tipo frescobol são uma fonte de alegria e têm a chance de ter vida longa.
Explico-me. Para começar, uma afirmação de Nietzche, com a qual concordo inteiramente. Dizia ele: 
“Ao pensar sobre a possibilidade do casamento cada um deveria se fazer a seguinte pergunta: Você crê que seria capaz de conversar com prazer com esta pessoa até sua velhice ?’
Tudo o mais no casamento é transitório, mas as relações que desafiam o tempo são aquelas construídas sobre a arte de conversar.” (…)
A música dos sons ou da palavra – é a sexualidade sob a forma da eternidade: é o amor que ressuscita sempre, depois de morrer.
Há os carinhos que se fazem com o corpo e há os carinhos que se fazem com as palavras. E contrariamente ao que pensam os amantes inexperientes, fazer carinho com as palavras não é ficar repetindo o tempo todo: “Eu te amo…”
Barthes advertia: “Passada a primeira confissão, ‘eu te amo’ não quer dizer mais nada.”
É na conversa que o nosso verdadeiro corpo se mostra, não em sua nudez anatômica, mas em sua nudez poética.
O tênis é um jogo feroz. O seu objetivo é derrotar o adversário.
E a sua derrota se revela no seu erro: o outro foi incapaz de devolver a bola.
Joga-se tênis para fazer o outro errar. O bom jogador é aquele que tem a exata noção do ponto fraco do seu adversário, e é justamente para aí que ele vai dirigir sua cortada – palavra muito sugestiva, que indica o seu objetivo sádico, que é o de interromper, derrotar.
O prazer do tênis se encontra, portanto, justamente no momento em que o jogo não pode mais continuar porque o adversário foi colocado fora de jogo.
Termina sempre com a alegria de um e a tristeza de outro.
O frescobol se parece muito com o tênis: dois jogadores, duas raquetes e uma bola. Só que, para o jogo ser bom, é preciso que nenhum dos dois perca.
Se a bola veio meio torta, a gente sabe que não foi de propósito e faz o maior esforço do mundo para devolvê-la gostosa, no lugar certo, para que o outro possa pegá-la.
Não existe adversário porque não há ninguém a ser derrotado.
Aqui ou os dois ganham ou ninguém ganha. E ninguém fica feliz quando o outro erra – pois o que se deseja é que ninguém erre. O erro de um, no frescobol, é um acidente lamentável que não deveria ter acontecido, pois o gostoso mesmo é aquele ir e vir, ir e vir, ir e vir… E o que errou pede desculpas, e o que provocou o erro se sente culpado. Mas não tem importância: começa-se de novo este delicioso jogo em que ninguém marca pontos…
A bola: são nossas fantasias, idéias, sonhos sob a forma de palavras.
Conversar é ficar batendo sonho prá lá, sonho prá cá… Mas há casais que jogam com os sonhos como se jogassem tênis. Ficam à espera do momento certo para a cortada. Tênis é assim: recebe-se o sonho do outro para destruí-lo, arrebentá-lo, como bolha de sabão… O que se busca é ter razão e o que se ganha é o distanciamento. Aqui, quem ganha sempre perde.
Já no frescobol é diferente: o sonho do outro é um brinquedo que deve ser preservado, pois se sabe que, se é sonho, é coisa delicada, do coração. (Rubem Alves)
Imagem preso
Imagens: Pinterest

8 comentários:

  1. Olá Débora,
    Uma bela e interessante analogia. Gostei demais de ler. Rubens Alves é mesmo incrível.
    Parabéns pelo post!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Oi Débora,
    Enquanto lia, pensei que o jogo de tênis está presente num casamento que não existe mais amor, cumplicidade, amizade. Num casamento que já acabou, mas que continuam juntos se alfinetando, se desrespeitando por não tomarem juntos uma decisão que possam libertá-los desse convívio que não é mais saudável. Uma ótima reflexão, um abraço grande!
    Ivana - Reserva de Emoções

    ResponderExcluir
  3. Emocionada com este post. Lindo e verdadeiro.
    Não consigo me lembrar da frase do Dalai Lama que diz mais ou menos isto: case com alguém com que você converse muito; isso é o que ficará com o passar dos anos.
    Mais uma preciosidade que você nos traz. Beijo

    ResponderExcluir
  4. Maravilhoso esse texto!!! Beijos,lindo fds,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  5. Olha Débora, já li várias analogias sobre casamentos (relacionamentos) e te confesso que terminei de ler achando esta a mais fantástica! Vou guardar com carinho!

    Bjo grande no coração e muitas partidas de frescobol!

    ResponderExcluir
  6. Amei!

    Gosto mto de Rubem Alves.

    Estava precisando dessas palavras, dessa reflexão.
    Vou dividir com meu marido e com tds os casais q conheço por e-mail.

    Um lindo final de semana pra vc flor baiana :)

    ResponderExcluir
  7. Olá...sou uma apaixonada por Rubem Alves.
    Esse texto é lindo e muito interessante.
    Os relacionamentos são complicados porque as pessoas teimam em achar que devem ser perfeitos.
    Quando todos aprenderem o significado da palavra "respeito", tudo ficará melhor.
    Beijos querida, adorei tudo!

    ResponderExcluir
  8. bom dia debora.
    não tem como não refletir e se emocionar com esse texto.
    parabéns pela escolha.

    bacione fiorellino

    ResponderExcluir

Obrigada por seu precioso comentário, vou amar ler. Volte sempre que quiser!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...